Será que seu pet está entediado?

tédio cachorros

O tédio é o inimigo mortal dos animais domésticos. Quando vivem conosco, em segurança, com comida e água à disposição, eles não precisam fazer a maior parte das atividades naturais de caçar, buscar fontes de água, construir tocas, patrulhar o território, encontrar parceiros e criar filhos.

Com isso podem acabar ficando extremamente entediados, principalmente quando passam a maior parte do dia sozinhos. Mas o tédio não é só “sentimento ruim”, é um estado emocional perigosíssimo, que pode levar o animal a ter problemas psicológicos, comportamentais e de saúde.

Identificar se o pet está entediado e proporcionar os estímulos necessários para ele sair dessa faz parte dos cuidados básicos para ter um animal saudável e feliz. Exercícios, brincadeiras e atividades regulares são quase tão fundamentais para um cachorro e um gato quanto água e ração.

Alguns sinais do tédio

  • dormir demais
  • comer demais ou perder o apetite
  • falta de interesse nas coisas
  • destruição
  • latidos ou miados freqüentes
  • carência insaciável
  • comportamentos compulsivos (se lamber excessivamente, andar/correr em círculos…)
  • obsessões (televisão, objetos, torneira pingando…)

tédio gatos

Um ou outro sintoma da lista já podem ser suficientes para mostrar que o pet está entediado. Mas também podem ser sinais de problemas de saúde graves. Então, antes de mais nada, consulte seu veterinário para descartar a possibilidade de doenças.

Se o problema não for médico, é hora de pensar na psicologia da situação. Para se livrar do tédio os cães e gatos precisam, basicamente, do mesmo que você: fazer alguma coisa. Desde exercícios físicos a desafios mentais, eles precisam se ocupar.

Isso não quer dizer que você deva deixar o pet exausto, mas sim encontrar as opções certas e o tempo ideal para seu bichinho. Cada cachorro e gato é único, mas segue uma lista de idéias que podem ajudar.

Combatendo o problema

  • Exercite o cão com passeios diários (considere um dogwalker ou creche) e brinque com o gato usando brinquedos de corda pelo menos duas vezes por dia (15 min cada)
  • Possibilite acesso a janelas e portões de onde o animal possa observar a rua – com segurança!
  • Ofereça brinquedos interativos e quebra cabeças com petiscos (ex: caixas com furos para os gatos e garrafas pet para os cães)
  • Tenha comedouros diferenciados que oferecem desafios (afinal, tanto cães quanto gatos são caçadores e estariam tendo que usar a cabeça para conseguir comer na natureza)
  • Enriqueça o ambiente do gato com prateleiras, tocas e arranhadores e esconda ossos e petiscos pela casa para o cão procurar
  • Tenha muitos brinquedinhos do tipo preferido dele – e faça rodízios com eles para não perderem a graça (por ex, guarde alguns de segunda a quarta, e os outros de quinta a domingo)

 

Fotos: Peter Kemmer e Cinnamon Cooper

Comentários desativados.