Carta de um gatinho para o Papai Noel – Versão 2016

carta-de-um-gatinho-gato-para-o-papai-noel-natal

Sr. Papai Noel,

Esse ano eu não quero muitos brinquedinhos, só alguns. Quero repor aquele meu ratinho de vara que rasgou, aquele que andava sozinho e não anda mais e aquele de catnip que eu já abri e tirei toda a catnip. Só esses e os sachês de franguinho e petiscos está bom.

Porque, na verdade, Sr. Papai Noel, o que eu quero mesmo… é que você faça uma mágica aí para a mamãe entender minha língua. Está muito difícil essa história de ela não entender língua de gato. Eu peço sachê, ganho ração. Não dá!

Ontem eu até sentei do lado do pratinho para ver se a mamãe entendia. Aí pedi o sachê. Fiquei repetindo várias vezes para não ter erro. Miausachê, miausachê, miausachê. Ganhei ração. E ainda tomei bronca porque estava miando demais!

E o móvel… esse  faz uma semana que estou miando para avisar que minha bolinha preferida está lá embaixo. A mamãe vem… e abre a gaveta! A gaveta é legal, eu gosto da gaveta, mas queria mesmo era a bolinha. O jeito vai ser você me dar uma nova (é aquela com guizo).

Mas o pior, Sr. Papai Noel, foi o passarinho. Ele entrou aqui em casa e eu aproveitei, claro, quase nunca tenho a oportunidade de caçar presentes para a mamãe. Como eu estava sozinho, antes de dar para ela, olha a minha consideração, depenei ele inteirinho porque sei que humanos não são bons nessas coisas. E depenei no meio da sala para mostrar todo o trabalho que eu tive.

Aí fui, todo contente, com o maior orgulho de ter o que dar para a mamãe, esperar ela chegar. Foi difícil não comer aquele passarinho, mas eu aguentei porque gosto muito da mamãe e ela merece (um segredinho: ela não sabe caçar!). Esperei, esperei, na maior ansiedade.

Quando ouvi a chave, corri para a porta, pus o presente na minha frete e estufei o peito contente. Sabe o que a mamãe fez quando abriu a porta, Sr. Papai Noel? O maior escândalo! Gritou comigo, a maior bronca do mundo! E o pior? Jogou no lixo meu presente! No lixo! E recolheu da sala todas as penas que eu tive o maior trabalho de tirar. Todas! Tudinho no lixo!

Ela podia pelo menos ter fingido que tinha gostado. Fiquei tão sentido que passei o resto do dia escondido sozinho.

Mas eu sei que a mamãe não faz por mal, Sr. Papai Noel, é que ela não entende mesmo. Os humanos são ruinzinhos de entender língua de bicho. Por isso eu queria pedir para você usar sua mágica aí para fazer a mamãe entender o que eu falo.

Você tem que explicar para ela que nós, os bicho, falamos com o corpo todo e não só com a voz igual os humanos. Então ela tem que prestar atenção mesmo, é difícil para os humanos, mas eu sei que a mamãe consegue, porque ela me ama muito. E eu amo muito ela!

Vejo você no Natal, não esquece meu ratinho de vara,

Miau

PS – Não traga nada para o cachorro, ele tentou roubar o passarinho da mamãe.
Ok, vai… traz uma bolinha de tênis.

 

Foto: Stephenie Schukraft

Comentários desativados.