5 atitudes para tornar o mundo melhor para os gatos

Amamos nossos gatos. Ao adotá-los, nós abrimos nossa porta (e nosso coração de mãe/pai) e escolhemos compartilhar a vida com eles. E eles, com toda certeza, retribuem com amor e carinho incondicional. Porém, às vezes fica, e com razão, a grande dúvida: estamos oferecendo o melhor que podemos, ou é possível fazer algo mais para que eles se sintam bem conosco? Em outras palavras, como tornar o mundo um lugar melhor para os nossos – e todos os outros – gatos?

É claro que uma pergunta complexa e ampla desta não tem uma resposta simples, nem uma resposta fácil e definitiva. Mas existe sim muito que nós podemos fazer pelos nossos parceiros peludos – e não é necessário um imenso esforço ou investimento: começando pequeno, de dentro de casa, podemos aos poucos fazer uma grande diferença. Então segue uma lista de cinco atitudes para começar já essa missão!

1. Adquirir conhecimento

Em nossa relação com os gatos, o grande problema é a falta de conhecimento sobre essa outra espécie e suas necessidades. O interesse por compreender o comportamento dos gatos, o porquê de eles fazerem o que fazem, é relativamente recente e grande parte do que achávamos que sabíamos, como o mito de eles serem independentes e interesseiros, estava completamente errado! Por isso, é necessário informar-se sempre sobre as necessidades deles como espécie, que são obviamente muito diferentes das nossas, para garantir que estejam saudáveis física e emocionalmente.

Comportamento é linguagem. Tudo que o gato faz está comunicando algo e, para que possamos entendê-lo e oferecer o melhor para ele, é preciso conhecer essa linguagem. Compreender porque um gato prefere arranhar o sofá e não o arranhador dele, por exemplo, é a chave para evitar brigas, desconforto e até (ai!) o abandono.

2. Agir com base nesse conhecimento

A partir do momento em que sabemos as necessidades do gato, é necessário agir para atender essas necessidades. Seja a necessidade de um ambiente adequado e enriquecido, de um companheiro da mesma espécie – ou de menos companheiros, de uma alimentação mais adequada, de um atendimento veterinário, ou até de mudanças no nosso próprio comportamento. Não adianta ter o conhecimento de que brincar todos os dias é importante para o gato e não brincar com ele nunca (leia mais sobre brincadeiras aqui).

3. Castrar o seu gato – e quantos mais puder!

A castração é fundamental para evitar problemas de saúde e comportamento. Mas, mais importante do que isso, ela é a única forma de controlar a população e evitar os milhares e milhares de animais abandonados. Só existem animais nas ruas, e amontoados em condições precárias em ONGs, porque existem mais animais do que pessoas dispostas a adotá-los. A maioria dos gatos que nasce no Brasil passa a vida na condição mais dolorosa de todas: a solidão de ser indesejado.

4. Ajudar uma ONG

Existem grupos de pessoas que se reúnem e doam seu tempo e talento por um único objetivo comum: ajudar os animais. Se você compartilha deste objetivo, a forma mais eficiente de por a mão na massa é unir-se a quem já está agindo. O que as ONGs mais precisam é ajuda financeira e lar temporário para os gatinhos que aguardam adoção (leia aqui sobre isso).

Porém, não é só porque não pode contribuir dessas formas que você é dispensável, pelo contrário, toda ONG de animais no Brasil depende de uma rede de voluntários como você! Cada ajuda é bem-vinda, seja numa feira de adoção, seja no abrigo, seja em atividades de divulgação… Entre em contato com uma instituição que você gosta e veja como suas habilidades podem ser úteis! (Se não conhece nenhuma, visite a nossa lista de ONGs aqui)

5. Compartilhar!

Se está lendo este site, você provavelmente ama gatos e já faz a maioria dos itens acima, não é? Então agora vem outra parte super importante: compartilhar o conhecimento, a compreensão, aceitação e, principalmente, respeito por quem os gatos são e não quem achamos ou queremos que eles sejam. É da ignorância que partem as maiores crueldades, como privá-los de suas necessidades básicas em um ambiente inadequado, abandono por incompreensão, desrespeito à natureza deles e preconceitos infundados (azar mesmo é de quem não tem um gato preto!). Então vamos juntos compartilhar amor e respeito por quem só nos oferece justamente isso, nossos peludos!

Bônus: e os outros animais?

Não é só porque este é um site sobre gatos que podemos deixar de refletir sobre os outros animais que compartilham o planeta conosco! Os cinco passos acima são válidos para a maioria dos animais domésticos ou não (exceto castração, claro). Muito além de cães e gatos, estão incluídos aqui os coelhos, cavalos, galinhas, furões, vacas, camundongos… e os animais selvagens, para os quais existem instituições próprias e que fazem trabalhos incríveis.

E se você realmente quer ajudar todos de uma vez, num gesto de muito muito amor e doação de si, você pode mudar a própria alimentação para excluir produtos que causam sofrimento aos animais. Para isso, este site aqui é um bom ponto de partida.

Fotos: dasjabbadas, Dennis Jarvis e Santuário Igualdad Interespecie

 

Comentários desativados.