Cães e gatos: convivendo felizes para sempre

gato-cachorro-conviverem-numa-boa

Antes de mais nada, por que se dariam mal?

Porque são animais de espécies diferentes, simples assim. Cada espécie, inclusive a humana, tem suas próprias formas de comunicação e linguagem corporal. Embora os animais sejam infinitamente mais perspicazes para compreender a linguagem de outra espécie, ainda sim falam línguas diferentes.

Além disso, os hábitos, necessidades e hierarquias dos cães e gatos são muito distintos. Cachorros vivem e caçam em grupo, enquanto gatos até podem formar grupos mas continuam sendo animais independentes. Cachorros buscam o grupo por proteção, gatos se escondem em tocas. Cachorros obedecem um líder, gatos são seus próprios líderes. Cachorros cumprimentam cheirando traseiros, gatos cheirando focinhos.

Resumindo, cachorros latem e gatos miam e isso pode gerar desentendidos. Um ótimo exemplo das diferenças de comunicação entre cães e gatos é o vídeo abaixo, é o primeiro momento em que o Jeff Totti, um filhote de cachorro resgatado, encontrou o Kvothe, o gato que está em todos os tutoriais aqui do site. Ambos estão comunicando coisas diferentes com posturas e sons (no caso do Jeff) diferentes.

Filhotes

Durante o período de desenvolvimento do filhote, existe uma fase crítica para a socialização, em que ele aprende quem ou o que é “amigo” e quem ou o que pode fazer mal. Para gatos, a fase crítica de socialização é entre cerca de 2 a 10 semanas de idade. Para cães, entre cerca de 3 a 12 semanas.

Quando convivem com a outra espécie durante esse período, eles tendem a aceitá-la na fase adulta. Por isso é importante, toda vez que adotar um filhote, apresentá-lo durante esse período ao máximo possível de animais, pessoas e estímulos (como som de fogos e aspirador de pó).

cachorro-gato-convivencia-pacifica

Conheça seu peludo

Como pessoas, cães e gatos têm personalidades individuais definidas e elas nem sempre são compatíveis. Alguns gatos têm a tendência a fugir e agir como presa e alguns cães têm instinto de caça e domínio do território muito fortes e nunca devem ser deixados soltos ao lado de gatos. Ainda que aparentemente estejam se dando bem, um estímulo errado leva a um acidente feio em segundos, mesmo entre animais que se conhecem há tempos.

Quando for adotar um novo cachorro ou gato, tente perceber qual seria uma companhia ideal para o peludo que você já tem. Se tiver um cão com personalidade adequada e for adotar um gato, você pode inclusive levar o cachorro no abrigo para escolher o novo amigo (muitos abrigos até incentivam isso).

 

Vá com calma na apresentação!

Nunca coloque cães e gatos que não se conhecem no mesmo espaço para “ver o que acontece”. Nem de coleira ou caixa de transporte. Colocar um cachorro desconhecido no território do seu gato (ou o contrário) pode traumatizar ambos e dificultar muito que eles se dêem bem em algum momento – para eles, a primeira impressão é a que fica. Imagine andar até sua sala e de repente encontrar um bicho que você nunca viu na vida, muito maior que você. Assustador, não? Pois é assustador para o gato também!

A apresentação entre cães e gatos é semelhante à apresentação entre dois gatos, e você pode ler mais sobre isso aqui.

 

Separe a comida

Parece óbvio, mas comida é uma das maiores causas de briga, além de que a ração é formulada para suprir a necessidade nutricional de cada espécie e um não deve comer a do outro. Alimente os animais em ambientes separados (vale para ossinhos e petiscos!), sempre de forma que o cachorro não alcance a comida do gato (que tal colocar o pratinho dele em cima de um móvel alto?).

gato-cachorro-conviverem-felizes

Elabore rotas de fuga

É importante que o gato possa fugir ou sair de perto do cachorro quando quiser ou precisar. Arranhadores altos, prateleiras, cubos na parede, acesso ao topo de móveis e armários são ótimas soluções. Tente ao máximo criar portos-seguros para o gato descansar tranquilo e rotas “livres de cachorro” para ele ir de um lugar ao outro sem ter que lidar com o cachorro. De preferência, tenha uma segunda vasilha de água num desses espaços que seja só do gato.

 

A caixa de areia é do gato

E ele precisa de privacidade e tranquilidade, sem interrupções do cachorro quando está fazendo o seu ritual de cavar e usar a areia. Isso pode ser resolvido colocando a caixa num lugar alto ou impedindo que o cachorro acesse o cômodo onde ela fica (que tal uma grade de porta ou portão pet pela qual só o gato consiga passar?).

cachorro-gato

Mantenha os dois saudáveis mentalmente

Entretenha os dois com brinquedos, puzzles, passeios para que não façam bullying um com o outro. Tédio, desequilíbrios psicológicos e energia acumulada podem fazer com que dois amigos acabem não se suportando ou tranformem patadas de brincadeira em agressões mais graves.

 

Treine o cachorro

É importante o cachorro ser obediente a ponto de sentar e ficar quieto mesmo quando o gato está correndo pela sala. O treinamento é inclusive uma forma de entretenimento e desafio para os cães, que ajuda a tornar vocês muito mais próximos.

cachorro-gato-evitar-briga

Não deixe o gato roubar as coisas do cachorro

Pode parecer engraçado ver o gato roubar caminhas, brinquedinhos, ossinhos, mas não é. Imagine morar com alguém que fica pegando suas coisas sem pedir e não deixa você mesmo usá-las? Até o cachorro mais paciente tem um limite! Se o gato acha que é o dono do pedaço, dê alternativas para ele se entreter, convença-o que o dele é “melhor” que o do cachorro, suborne-o com catnip ou Feliway spray nos espaços dele.

 

Treine a si mesmo

Pois é, a última peça do quebra-cabeça é a sua atitude! Alguns hábitos que desenvolvemos com um filho-único peludo podem ser prejudiciais quando chega outro integrante à família, principalmente de outra espécie. Evite dar sobras de mesa para qualquer um dos dois, evite que eles se tornem possessivos em relação a você ou brinquedinhos e evite dar broncas na presença um do outro (sua postura e energia alteradas podem dar a ideia errada para o que não está levando bronca).

Seja justo nas permissões, presentes e mimos e observe se está sempre dividindo a atenção entre os dois de forma igual. Lembre-se que, por fim, não se trata de uma dupla interespécie, e sim um trio: cão, gato e humano, e os três têm papeis igualmente importantes a cumprir para transformar esse trio em uma super família.

gato-pit-bull

Fotos: Stephanie, Doris Meta F, yellowcloud, Lenna Young Andrews, Lauren Siegert, reader of the pack.

Comentários desativados.